fbpx

Post de blog

Como elaborar roteiro de aula online

Aprenda como elaborar um roteiro de aula, abordando a estrutura e dicas de como escrever um bom script de aula, online e presencial.

Aprender como elaborar roteiro de aula é como cozinhar: você pode optar por seguir uma receita palavra por palavra, criar linhas gerais e improvisar no caminho ou fazer tudo de cabeça. Todas elas funcionam, em todas você pode até obter praticamente o mesmo produto final e tudo vai depender da sua competência em habilidades específicas. Não tem um certo ou errado.

Mas para você que gostaria de uma fórmula, vamos te dar uma linha-geral de como elaborar roteiro de aula. A preparação para uma aula pode envolver um grau de detalhamento e planejamento absurdo, vai depender do seu estilo.

Nós da Poly alternamos, para os nossos conteúdos, entre aulas roteirizadas palavra por palavra e um outline (uma estrutura-base). Já dei e gravei sem elaborar roteiro de aula também, e deu super certo, mas para deixar a coisa mais previsível, optamos por escrever roteiros contendo no mínimo uma estrutura de tópicos.

O que é e por que aprender como elaborar roteiro de aula?

Pensar em como elaborar roteiro de aula deve envolver o conteúdo que será dado naquela aula. Você pode fazê-lo no formato de storyboard, no qual você planeja inclusive o que deverá acontecer na edição do vídeo, anotando o que deve aparecer na tela.

Na versão mais básica, ela será um texto com o que deverá ser dito. Você pode usar marcações no seu texto para entonação (inflexão de pergunta, um tom mais de piada, um tom mais sério) e também para gestos ou de movimentação de cursos, caso envolva gravação sua ou da tela.

Um script, portanto, nada mais é do que uma descrição do que acontecerá na sua aula: desde o áudio, vídeo, gravação, etc.

Quando você cria essa estrutura de informação, o seu trabalho posterior fica muito mais fácil, porque você não precisa parar e pensar – você já fez tudo isso de uma vez. Portanto, você tende a se tornar mais eficiente com a economia de tempo.

Vamos agora entender melhor como estrutura e escrever seu primeiro script?

Estrutura básica de um roteiro de aula.

Nós já dissemos isso algumas vezes, mas vale repetir: tenha os objetivos da aula. Nós costumamos escrever em uma descrição como se fosse um tweet (segunda coluna da tabela abaixo) ou em estrutura de pontos (terceira coluna). Veja aqui um exemplo simples.

Tabela 01:

Como você está no celular, deslize para o lado para ver a tabela inteira.

Aula Descrição Atividades
Abertura do curso Apresentação da empresa e propósito do curso.
  • Apresentação do curso
  • Apresentação da empresa
  • Como usar a plataforma
Vídeo promocional do curso Vídeo para ser usado de forma aberta para incentivar que as pessoas façam o curso completo.
  • O que você vai aprender
  • Para quem é o curso
O que é atendimento ao cliente De maneira clara: o que é atendimento e quais as possibilidades?
  • Definição do atendimento
  • Importância do atendimento hoje em dia
  • Como clientes percebem o atendimento

Esse é o exemplo de estrutura de tópicos. Se você optar por não ter um roteiro palavra por palavra, você pode destrinchar cada tópico da lista (terceira coluna) ainda mais.

Com base no seu conhecimento do assunto, você pode prever se uma aula está ficando muito mais densa que as demais e optar por quebrá-la em duas ou mais. É muito comum isso acontecer. Nós planejamos primeiro os tópicos e depois, quando vemos os conteúdos de cada um, começamos a dividi-los em tópicos menores.

Um próximo passo é criar um documento para cada aula e começar a estruturar seu roteiro propriamente dito.

O seu primeiro roteiro de aula.

A estrutura de um roteiro não difere muito de uma redação comum: introdução, premissa, argumentação e conclusão. Contudo, para um conteúdo educacional, você seguirá os eventos de instrução. Para relembrá-los:

  1. Obter atenção (recepção)
  2. Informar o objetivo para os aprendizes (expectativa)
  3. Estimular a lembrança do aprendizado anterior (recuperação)
  4. Apresentar o estímulo (percepção seletiva)
  5. Fornecer orientação de aprendizado (código semântico)
  6. Elicitar performance (resposta)
  7. Fornecer feedback (reforço)
  8. Avaliar o desempenho (recuperação)
  9. Aumentar a retenção e a transferência (generalização).

Nem toda aula precisa ter todos os eventos, vai depender um pouco do conteúdo. Para módulos que envolvem mais prática, é muito interessante ter os eventos 6 a 10. Já para as aulas seguidas que envolvem teoria, você consegue reforçar melhor a cadeia de conteúdos por meio dos eventos 3 a 5.

De qualquer forma, pense na seguinte estrutura:

Tabela 02:

Parte O que deve ter Evento associado
Abertura Dar as boas-vindas

O que vai aprender (uso abstrato)

Onde será usado (uso concreto)

Conhecimentos anteriore

1. Obter atenção

2. Informar o objetivo para os aprendizes

Contexto Onde será usado (uso concreto)

Conhecimentos anteriores

3. Informar o objetivo para os aprendizes (expectativa)

4. Estimular a lembrança do aprendizado anterior

Conteúdo Explicação do conteúdo em si

Exercícios
Mostrar a prática

7. Apresentar o estímulo (percepção seletiva)

6. Fornecer orientação de aprendizado (código semântico)

Aprendizado-chave Deixar muito claro qual é o ponto central da aula

Pode envolver um “pulo do gato”

7. Fornecer feedback (reforço)

8. Avaliar o desempenho (recuperação)

Fechamento Resumo do que foi aprendido 9. Aumentar a retenção e a transferência (generalização)

Se você quiser dar o seu toque de branding pessoal, poderá dar nomes a cada uma dessas partes. O resumo pode ser chamado de “catch”, como já vimos acontecendo. A parte de teoria, como é feito aqui na Poly, se chama “Deixa que eu desenho”. Você pode criar uma saudação única, por exemplo, para seus vídeos, ou mesmo sempre ter bordões no meio de seus vídeos para transmitir sua personalidade

Iniciando seu documento:

Explicada toda essa estrutura, no seu documento você deverá escrever cada uma das partes, por exemplo, listando os tópicos da terceira coluna Tabela 01.

O seu documento estará assim:

Aula 03: O que é atendimento ao cliente

Texto aqui.

Definição do atendimento:
Texto aqui.

Importância do atendimento hoje em dia
Texto aqui.

Como clientes percebem o atendimento
Texto aqui.

Conclusão:
Texto aqui.

Agora é só preencher o conteúdo dentro do “Texto aqui”. Como mencionamos antes, você pode usar marcações e comentários para especificar o que deverá acontecer na sua gravação ou edição.

Por exemplo, nós usamos a cor rosa para especificar que deverá aparecer um vídeo enquanto a fala é dita; verde se é um conceito que deve aparecer na tela e amarelo se é uma citação inteira que deverá aparecer.

Por exemplo:

Aula 03: O que é atendimento ao cliente

Definição do atendimento:

Hoje se fala muito sobre a experiência das pessoas com a sua marca. Tem muito a ver com a promessa da sua marca, qual sensação ou melhoria de vida você quer passar para a pessoa. Quer que ela se sinta bem consigo mesma, como uma marca de roupas? Que ela tenha um tempo divertido com seus amigos ou familiares, como uma pizzaria? Você quer que ela aprenda algo, como uma escola de cursos? Que seja um momento marcante, como um jantar?

A gente fala da jornada do seu cliente porque ele vai interagir com vários pontos ao longo de sua relação com sua empresa, mesmo que seja um delivery de pizza – (piada) uma área que eu tenho muita experiência como consumidor. A pessoa entra no site, faz o pedido por telefone, recebe pelo entregador e abre a caixa. Todos esses são pontos de interação, numa conversa curta.

Usamos parênteses para notas de narração, para demarcar entonação. Por exemplo, no texto do exemplo acima, tem uma piada. Para não ficar um tom sério, tem escrito “(piada)”, assim eu consigo mudar minha postura.

Dicas de como escrever bem ao elaborar roteiro de aula.

Bem, agora que você já está partindo para escrever seu primeiro roteiro de aula de um curso online, vamos falar de técnicas de escrita.

A primeira dica em si é você ter um guia estilístico. Toda marca e identidade bem pensada tem um padrão de como ela fala, uma identidade verbal. Você tem um conjunto de palavras que sempre diz? Bordões? Alguma coisa que é característica sua ou gostaria de reforçar?

Nos nossos documentos sobre como elaborar roteiro de aula, temos um check-up com palavras-chave e frases que são repetidas, para dar um senso de união e coesão entre todos os textos. Isso reforçará a sua marca no longo prazo.

Claro, você não deve inseri-los a cada vírgula para não ficar cansativo. Pense em incluir no máximo a cada 300 palavras. Contudo, mesmo que você tenha essa estrutura, nós diríamos para começar o conteúdo-base sempre do zero, a partir de um novo documento. Deixa para inserir essas frases num segundo momento.

Preocupe-se agora em seguir a estrutura dos eventos de instrução – isso é mais difícil mudar depois. Já as frases é mais fácil.

Não perca a chance de estudar o seu conteúdo.

Você pode ser um excelente vendedor ou designer, mas é inevitável que tenha seus vieses e particularidades.

Por isso, mesmo que você esteja seguro que tem uma visão única e seu público-alvo, não deixe de estudar um pouco o conteúdo e buscar por referências fora do que está acostumado.

Isso fará horrores para o seu conteúdo e credibilidade. Claro, se for um conteúdo mais rápido, talvez você possa optar por somente ter uma aula em texto de referências. Caso contrário, é bem interessante embasar seu conteúdo com referências externas, textos de blogs, indicações de livros e vídeos de outras autoridades.

Organize os tópicos em ordem de evolução:

Pense no seguinte: como arranjar os tópicos do mais simples pro mais complexo? Para o mais complexo, tente suplementar com materiais que possam enriquecer ou dar novas visões para o mesmo tema.

Por exemplo, ao explicar sobre teoria das cores, você pode começar com as cores básicas, depois secundárias e terciárias. Até aí, tudo bem, conteúdo simples. Em seguida, você vai querer falar de harmonizar. Como é um conteúdo, obviamente, muito visual, você pode encaixar uma rosa das cores, vídeos ilustrando as combinações, fotos com exemplos e por aí vai.

Por fim, você pode finalizar falando de temperatura, contraste, daltonismo e assuntos que envolvem conceitos mais complexos.

Percebe? Um conteúdo pode ser explicado por um meio só (narrado), depois vai para um conceito que ajuda se tiver outras mídias. Para terminar com um que é praticamente impossível de ser entendido só com uma mídia, sendo necessária uma combinação delas.

Planeje isso na hora de elaborar roteiro de aula.

Estruturas mínimas de texto.

Antes de encerrar com essa parte de dicas, diria para construir frases mais curtas.

Não construa muitas frases que que passem de 30 palavras. Da mesma forma, uma seção não deve ter mais de 300 palavras. Ou seja, subdivida em seções seu texto para uma maior separação dos conteúdos. Claro, essas são dicas gerais, não uma regra inquebrável.

Não vou aqui advogar contra o uso de advérbios, palavras longas ou jargões, porque isso vai depender do seu estilo e seu público. Existe uma onda de gurus de design instrucional que falam pra nunca usar jargões e usar uma comunicação simples.

Nossa dica é: se for usar termos técnicos, se eles forem conhecidos do seu público, ok. Se não forem, use, mas explique. Não gostamos de optar pelo simplório só para evitar termos mais robustos, como se nosso público fosse menos capaz.

Revisão:

Por fim, revise.

Revise, revise, revise.

Nós aqui na Poly revisamos nossos conteúdos três vezes pelo menos e, ainda assim, erros passam. Depois de terminar seu roteiro de aula, deixe passar-se alguns dias até revisá-los, para que possa eliminar a sua insensibilidade de leitura acostumada – que é uma incapacidade de encontrarmos erros ou percebermos incoerências por estarmos muito tempo lendo o mesmo tempo.

O ideal mesmo seria que contratasse um revisor de texto. Você não tem ideia da quantidade de erros de português que um escritor médio pode cometer.

Num próximo momento, você pode narrar o seu próprio texto para perceber se o que escreveu faz sentido mesmo e se as inflexões estão bem marcadas.

Confira se seu texto de fato atingiu seus objetivos.

Feita a sua revisão, prossiga para a gravação! Voilà, você tem seu primeiro roteiro de uma aula. Claro, ao longo do tempo, você vai aperfeiçoando suas técnicas, entendendo o que funciona melhor para ti e seu estilo de escrita. Assim como a prática vai te ensinar como preparar melhor seu roteiro para a gravação. Mas o objetivo da aula é que você se sentisse mais capaz de gravar seu primeiro roteiro.

Escrever um roteiro de aula é mais do que passar conhecimento.

Planejar e elaborar um roteiro de aula para um curso online é ensaiar o que você vai cozinhar antes de começar todo o trabalho, então é uma ótima oportunidade de tentar prever falhas e erros de coerência. Ainda assim, no momento do “vamos ver”, algumas coisas podem acontecer.

É importante termos sensibilidade e flexibilidade para percebê-los e lidar com essas ocasiões. Assim você consegue aprender e melhorar para as próximas vezes.

Professores online e influenciadores educacionais mais experientes tendem a fazer isso com mais naturalidade, então diremos para você planejar momentos de reflexão após cada roteiro escrito e gravação feita.

Planejar bem um roteiro não só vai te ajudar a passar seu conteúdo com maior assertividade, mas também garante que você ajude seus estudantes a atingirem seus objetivos. Também serve para seu próprio conforto e confiança pessoal. Temos certeza de que vai ser uma experiência fantástica começar a criar seu primeiro curso online.

Poly Studio - agência de design instrucional & customer education

Curso de Design Instrucional: Escrita Educacional

Aprenda como se tornar um produtor de conteúdo educacional

Copyright © 2021 Todos os direitos reservados