Por que Design Instrucional é importante?

Pode parecer óbvio num primeiro momento que você queira ter um designer instrucional planejando as atividades educacionais da sua empresa ou organização, mas permita-me abrir a cabeça do porquê é importante estudar um pouco sobre design instrucional.

O designer focará em tornar o aprendizado eficiente. Ou seja, que todas as partes gastem menos recursos no processo, tanto o estudante, quanto o instrutor, quanto a empresa. Nós tornamos as informações mais fáceis de acessar e consumir. Mas há uma diferença entre acessar informações e entendê-las de uma maneira que o ajude a melhorar em seu trabalho.

Quando você aprende algo por conta própria, com pouca ou nenhuma instrução, você gasta muito tempo vasculhando informações irrelevantes. Não seria mais fácil se alguém fizesse isso por você, para que você pudesse pular para as coisas importantes? Os designers instrucionais ajudam a simplificar e estruturar as informações de uma maneira que facilita o aprendizado e a incorporação ao seu dia-a-dia.

O designer instrucional focará em tornar o aprendizado mais engajante. Se você quiser ensinar alguém a fazer uma entrevista de emprego, pode simplesmente listar as diferentes etapas para comunicar o processo de forma eficaz. No entanto, essa abordagem não envolverá os alunos de uma maneira que os ajude a internalizar as informações. Não seria mais divertido e eficaz reformular essas etapas em uma atividade que permite explorar a preparação do questionário, como se comportar e, assim, aprender com os erros? 

E isso vai muito além de só falar “eu vou gamificar o processo”. Saiba: o processo de tornar as coisas lúdicas não deve ser feito simplesmente para parecer inovador e sem propósito. Um designer instrucional ruim ou uma pessoa má informada vai inserir elementos interativos só para que o conteúdo pareça inovador – mas saiba que isso pode tornar o processo de aprendizagem mais vagaroso e, até mesmo, entediante? Tem casos nos quais os seus aprendizes vão pensar “ai, caramba, mais uma atividade de ligue-os-pontos. Que saco.”. As atividades têm que ter propósito. O ID se concentra na experiência do aluno

Contratar um designer instrucional para criar o conteúdo programático do curso ou para coordenar e supervisionar as gravações e entregas de conteúdos é muito, muito limitado. Enquanto, sim, eles podem trabalhar com isso, um designer instrucional tem uma mentalidade de pensar primeiro: o que preciso que o estudante seja capaz de fazer e qual é a melhor maneira de entregar isso?

O ímpeto natural de empresas, seja departamentos de RH, enablement, marketing ou customer success, é mergulhar fundo em teorias, artigos e cursos livres de design instrucional e aplicar frameworks para construir cursos – vamos falar melhor dos modelos mais pra frente.

O ponto mais importante da educação do cliente é trabalhar o conteúdo – formato e qualidade. Um designer instrucional vai pensar no teu público-alvo e quais formatos seriam mais adequados para trabalhar com eles. Claro, levando em conta o que você já tem e quais meios de distribuição você possui. Lembrando que não estamos falando de qualidade da gravação. O seu foco deverá ser sempre o conteúdo e formato. Um curso gravado em 4k é ótimo, mas isso não substitui um conteúdo, um roteiro bem escrito.

Temos que pensar na entrega também. É base de conhecimento, canal no YouTube dedicado, uma plataforma de cursos, notificações no app, blog, ebooks? Além disso, um bom designer instrucional se preocupará em entregar valor muito rápido com altíssima qualidade. O que significa que provavelmente ele não montará um arcabouço de 300 horas de vídeo para daí lançar.

Um bom designer instrucional entende que é preciso entregar algo agora e testar – porque nenhuma teoria e planejamento sobrevive à vida real. Até porque o tempo para gravar e editar essas 300 horas para ensinar um software, por exemplo, significa que, no lançamento, o vídeo-tutorial já estará defasado.

Fez sentido? O design instrucional vem:

  1. Para que seu conteúdo educacional tenha propósito
  2. Para que você não coloque conteúdo que não precisa estar lá
  3. Para que a experiência de aprender do aluno seja mais gostosa

Este conteúdo faz parte do curso Primeiros Passos em Design Instrucional. Clique aqui para saber mais!

Posts relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *